Exposição na Porta do Mezio: O Lobo Ibérico em Portugal

Abriu hoje, quarta-feira, estando patente ao público até 31 de Agosto, na Porta do Mezio, a exposição «O Lobo Ibérico em Portugal».

Esta mostra é promovida pela ARDAL-Associação Regional de Desenvolvimento do Alto Minho e pela Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, em parceria com a ACHLI-Associação de Conservação do Habitat do Lobo Ibérico.

«O Lobo Ibérico em Portugal» é uma exposição que tem como suporte o registo efectuado ao longo de vários anos pelo fotografo da natureza João Cosme. As fotos, segundo comunicado distribuído às redacções pelo município arcuense, levam-nos para paisagens de particular beleza e situações de estreita e rara «intimidade» do lobo no seu habitat natural, sendo reforçadas com textos explicativos — em português e inglês — sobre a espécie e o seu ecossistema.

É objecto da exposição procurar divulgar diferentes aspectos do quotidiano desta espécie paradigmática da fauna nacional, para alem do trabalho que a ACHLI vem desenvolvendo ao longo dos anos, tendo em vista a consolidação e conservação desse mesmo habitat.

 

Coisas que devemos saber sobre o lobo ibérico

(adaptado de www.maravilhasdogeres.pt)

O lobo é um animal solitário. Procura apenas os seus semelhantes, inserindo-se unicamente na alcateias que pertence e criando, por isso, um natural distanciamento das outras espécies.
Se se encontrar frente-a-frente com um lobo tome em linha de conta o seguinte:
1 — Um lobo é um lobo, não é um cão ou qualquer outro animal doméstico a quem nós possamos fazer «festinhas»;
2 — Evite olhar o lobo directamente nos olhos. Ele poderá ser levado a pensar que está a desafiá-lo.
3 — Deverá afastar-se ou agir com tranquilidade e o mais serenamente possível;
4 — O lobo poderá não ter a percepção exacta do número de humanos que o rodeia naquele momento e passa ao ataque para se defender;
5 — O lobo sente o seu cheiro a grande distância. Quando se aproximar já ele detectou a sua presença, provavelmente muito antes de você o ter visto;
6 — O lobo ibérico estabelece limites ao seu território, a sua casa. É natura que a proteja, tal como nós fazemos com a nossa;
7 — Não se dirija direito ao lobo, nem caminhe na sua direcção. Ele poderá interpretar o seu comportamento como uma investida;
8 — Uma fêmea com crias torna-se potencialmente mais perigosa. Tenha isso em consideração;
9 — Nunca se sabe se um lobo anda alimentado ou se está faminto. Em casos extremos o lobo poderá atacar sem medo e sem piedade, muito embora se saiba que os humanos não são a sua primeira opção alimentar;
10 — O lobo pode já ter passado por situações de confronto com humanos, das quais não manterá provavelmente as melhores recordações. A ser assim, poderá ter reacções menos amigáveis, pois parte do princípio que os humanos são todos iguais;
11 — Em épocas de acasalamento é sempre bom evitarem-se afrontamentos com lobos. As suas reacções poderão ser imprevisíveis;
12 — O lobo traz no seu ADN o instinto de sobrevivência, o instinto para se auto-proteger. O lobo pensa primeiro em proteger-se a si próprio. Sempre.

 

Apoiado por:

Recomendado:

0 comentários