Atletas arcuenses no campeonato mundial de kayak-pólo

Com três empates — a 3 contra a França, igual marca no confronto com a Rússia, e 2 a 2, na partida de hoje em que se defrontou com a Polónia — Portugal passa à fase seguinte deste Campeonato do Mundo de Kayak-Pólo, que se está a decorrer até ao dia 5 em Welland, no Canadá.

Esta prova que os canadianos, organizadores deste ano, fizerem questão em rodear de óptimas condições competitivas, conta com a presença da equipa Sénior Masculina de Portugal que defrontou ontem às 10:20, hora local, a poderosa equipa da França, tendo o resultado registado um empate a 3.

Seguiu-se da parte da tarde a Rússia, às 14:25, hora local, tornando Portugal a empatar por igual marca.

Portugueses e polacos, que se defrontaram hoje pelas 8:35 locais, não lograram ir além de um outro empate, desta vez a duas bolas.

E o que é que tem esta equipa portuguesa de tão especial, para além de defender as nossas cores? É que nela estão integrados Daniel Silva e Filipe Silva do Clube Náutico de Arcos de Valdevez, dois elementos que se têm distinguido no clube arcuense e que, pela qualidade e entrega que têm evidenciado na modalidade, foram muito justamente chamados à selecção nacional.

 

Com este resultados a equipa do nosso país passou à fase seguinte da competição nos chamados grupos de consolação — jogando para os lugares situados entre a 13ª e a 24ª posições.

Fazendo parte do Grupo IV, Portugal irá defrontar amanhã, dia 3, a Suíça e a Argentina, e a seguir, no dia 4, o Canadá e os Estados Unidos da América.

Jogo pouco divulgado no nosso país, muito dinâmico, de regras simples, o Kayak-Pólo exige contudo muita destreza e concentração, pois a velocidade a que se desenrolam os lances de ataque, exigem dos jogadores um domínio perfeito sobre o seu posicionamento no campo, que se desenrola em ambiente aquático.

As regras do Kayak-Pólo podem ser encontradas aqui, no site da Federação Portuguesa de Canoagem.

Com tanta e tão diversificada informação sobre este desporto ao nosso alcance não será de mais todos os dados sobre a prática desta interessante e frenética modalidade.

Publicam-se abaixo as regras da prática do Kayake Pólo e os equipamentos indispensáveis à sua execução.

Regras do Kayak Pólo

Para a prática de Kayak Pólo é necessário:

  • Um kayak
  • Um remo
  • uma saia  para evitar a entrada de água no barco
  • capacete (a confederação de Caiaque Pólo obriga a sua utilização em jogos oficiais sem a necessidade deste ter grade)
  • um colete salva-vidas que além de o fazer boiar, protege-o contra remadas ou bico de kayakes que venham a atingir o colete
  • mais 9 pessoas com esses acessórios
  • E uma bola de pólo aquático

Introdução ao jogo

O kayak-pólo, simplificando, é uma espécie de andebol praticado por 5 canoistas de cada equipa numa piscina com dimensões de 30m x 20m.

As balizas medem 1,5m x 1,0m e são montados a uma altura de 2 metros do nível da água; a bola é igual à do pólo-aquático e os kayakes têm no máximo 3 metros de comprimento.

Principais regras do jogo

É licito impulsionar ou segurar a bola com as mãos; com o remo você pode empurrar a bola ou usá-lo como defesa, porém não é permitido bater na bola.

Você está da posse da bola quando a tem na mão ou ela está na água ao alcance da sua mão.

O jogador pode ficar, no máximo, 5 segundos de posse da bola: no final destes deve passá-la a um companheiro ou a si mesmo desde que ela percorra pelo menos 1 metro em qualquer direcção, mesmo para cima.

É permitido empurrar um adversário que esteja sozinho de posse da bola. Este empurrão só pode ser feito com a mão aberta e no ombro do adversário. Empurrão em qualquer outra parte do corpo, ou com duas mãos ou quando a bola estiver em disputa no meio entre dois kayakes é falta.

É uma falta aproximar o seu remo a uma distância menor que 1metro do corpo do adversário colocando-o em risco. É falta você tentar disputar a bola com o remo se o seu adversário está tentando domina-la com as mãos.

Tocar o adversário com a mão ou com o remo seja no kayak ou no corpo é falta.

No campo define-se uma área de 6 metros através de uma linha imaginária paralela á linha de fundo situada à distância de 6 metros desta.

Dentro desta área atacantes e defensores tem direito de disputar uma posição e podem empurrar com os kayakes os barcos adversários.

Esse empurrão de barcos não é permitido quando um canoista bater num ângulo de cerca de 90° contra a lateral do barco adversário de forma violenta.

Fora das áreas de 6 metros é permitido empurrar o caiaque adversário apenas numa disputa de bola isto é quando a bola está a 3 metros de seu kayak.

O jogador da equipa atacada que levantar seu remo para defender sua baliza é considerado o guarda-redes e nesta ocasião não pode ser empurrado ou tocado por nenhum atacante.

As tácticas mais usuais no kayak-pólo tem semelhança com o basquete sendo as marcações tipo zona(1-2-2) e individual homem a homem as mais comuns.

Estas são apenas algumas das regras básicas do Kayak-pólo e poderão estar ultrapassadas ou desactualizadas, particularmente no que respeita à faltas. Aconselha-se a consulta aos regulamentos da Associação Portuguesa de Canoagem através da seguinte ligação.

Recomendado:

0 comentários